Misery business


Me sinto uma máquina. Mas não qualquer máquina. Me sinto uma máquina pensante. Para mim, o ato de pensar é inevitável. Quando menos dou por mim, já estou pensando. Olha aí prova mais que evidente; neste exato momento estou pensando. E é nesse ato de pensar, que muitas vezes, eu paro e fico refletindo e pensando coisas, que na correria do dia-a-dia não costumamos pensar. Como esse mundo pode ser tão injusto? Como esse mundo pode ser tão diferente uns para com outros? Como nos deixamos abater tão facilmente por coisas tão 'fúteis'? Eu sinceramente não sei. Tudo o que eu sei, é que tudo é tão incerto, tudo é tão confuso, que as vezes a vontade que dá é parar de pensar definitivamente. Ingenuidade minha. Como se não pensar fosse assim; tão fácil. Já imaginou como seria ótimo se disséssemos uma coisa, e assim, de uma hora pra outra, a cumpríssemos? Vivemos em um mundo tão egoísta e injusto, que não viver, cada vez mais se torna interessante e agradável. Pessoas honestas, justas, morrem por motivos banais, enquanto pessoas sujas, desonestas, ficam aí, vivendo e matando, roubando pessoas que com muito suor demoram pra conseguir aquilo que almejavam. Pessoas que roubam aquilo de outras que podem ter demorado a vida inteira pra conseguir. Por que é que tudo é tão complicado ao ponto de tornar-se nojento? Bandidos, pessoas em penitenciárias têm mais prioridade do que um estudante! Isso mesmo! Pessoas em penitenciárias, pelo o que eu sei, são mais bem tratadas do que estudantes que se esforçam para chegar em algum lugar, do que estudantes que se esforçam para ser 'alguém na vida', do que estudantes que se esforçam para passar em um vestibular e entrar em uma boa faculdade. Isso deixa de ser um estimulo para nós. As vezes ficar calada cansa sabe? E a justiça desse Brasil; você acha que pode ser considerada justiça? No meu ponto de vista está mais para uma injustiça! Estamos no século XXI, e nada de iniciativas para melhorar nosso país é tomada. Corrupção, dinheiro guardado na cueca, desvio de dinheiro público, policiais que matam pessoas inocentes e que podem ser tirados da brigada da policia. Você não concorda que eles teriam que ser? A única desculpa que eles dão é que foi um acidente. Eu estou cansada desse país,cansada de acidentes, e de guardar tudo aqui. Dizem que o futuro do nosso país são os jovens e crianças, mas eles dão alguma chance para nós nos manifestar? Obviamente não. Somos maduros o suficiente para entender que vivemos em um mundo sujo, em um mundo 'trapaceiro', digamos assim, em um mundo completamente desumano. Eu não quero muito, da mesma forma que penso que outros adolescentes também não querem. Eu só quero ser feliz! Eu sou quero poder estudar, entrar em uma excelente faculdade, conseguir me estabilizar financeiramente no futuro. Será que é pedir muito? Ahh, se não for pedir muito também, gostaria que esse Brasil mudasse. Um país tão bonito, idolatrado por pessoas do mundo todo, não pode ser tão injusto.
Eu já nem sei mais o que dizer, só sei que nada é em vão (e nem poderia ser), e se tudo é e está assim, algum motivo há de ter. Não quero deixar me abater, nem desanimar, pois o futuro começa a partir do momento que decido investir nele. Me desculpem se disse algo que não devia, se disse algo de errado, mas eu realmente tinhaque dizer o que disse. O nó na garganta já não me deixava mais comer

Às vezes ainda dói. Mas é tão confuso porque eu não sei a razão desta dor. É uma dor estranha, amarga, que aperta o peito de uma forma com que faça que quase escorra lágrimas de meus olhos (quando não escorrem). É uma dor absurda, inconstante e imprevisível, que chega no momento menos esperado. Às vezes, acho que essa dor possa ser saudade, porque saudade também dói, e é uma dor inexplicável. Mas saudade do que? Acho que não tenho do que senti-la. A não ser dos momentos (que são poucos) que sorri por motivos realmente verdadeiros e felizes, saudade de momentos únicos e raros, como a primeira vez que andei de bicicleta sem ao menos me desequilibrar, do meu primeiro beijo com uma pessoa especial, ou senão, do meu primeiro dente de leite que caiu. Mas ainda, quando aperto minha memória, vejo que esta dor possa ser aquela escondida. Vejo que possa ser uma dor singela, e importuna. Possa ser uma dor que eu pensava que havia superado, mas no fundo, bem lá no fundo, vejo que não foi tão fácil como imaginei. Provavelmente vocês não estarão entendendo nada, e não sei se quero que vocês entendam. É algo complicado, incompreensível até. Falar dessa dor aqui, levaria várias linhas. Poderia escrever-lhes um livro contando sobre a razão desta, e como pensei que esta havia passado, mas acho que não valeria a pena, porque ficar remexendo na ferida, faz com que esta não cicatrize, e a dor só aumente. E pra ser bem sincera, eu não quero que isto aconteça."
Beijuxxx ;*

0 comentários :